,

,

.

.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

INSATISFEITOS COM DIÁRIAS NO CARNAVAL, POLICIAIS MILITARES ACIONAM A JUSTIÇA.


      Soldados da Polícia Militar da Bahia (PMBA) estão insatisfeitos com o valor das diárias e horas extras que serão pagos aos trabalhadores durante os dias do Carnaval de 2015. De acordo com o secretário de Segurança Pública do Estado da Bahia, Maurício Barbosa, os militares que vão atuar na folia terão uma correção inflacionária na gratificação paga pelo Estado de 6%.
 “Temos 18 mil policiais militares e existe a dificuldade do Estado em aumentar a gratificação, exatamente pelo impacto que isso causa nas finanças do Estado. E olhe que o governador Rui foi muito tranquilo no que se refere à correção inflacionária na questão dos policiais. Mas vamos ter a correção de 6% para esse ano”, afirmou o secretário em recente entrevista.
     O presidente e advogado da Associação de Policiais e Bombeiros e Seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra), Fábio Brito, afirmou que o valor das diárias é "ultrajante". “Elas são calculadas de forma equivocadas para beneficiar o governo. Os agentes da Guarda Municipal e da Transalvador vão receber bem mais que os policiais militares. Um absurdo isso. Uma falta de respeito com a categoria”, diz o advogado. Brito também afirmou que vai acionar a Justiça assim como fez o Sindicato dos Policiais Civis do Estado da Bahia (Sindpoc). Por meio de mandado de Segurança impetrado pelo sindicato, o Governo do Estado deve pagar as horas extras referentes ao plantão de Carnaval calculando o valor da hora unitária sobre o valor do vencimento base e da GAP, acrescido de percentual de 50%, conforme determina a Lei 8215/2002. A decisão já deve ser obedecida no período de Carnaval deste ano. Em caso de descumprimento da liminar, o governo terá que pagar multa diária de R$ 5 mil.
       “Vamos fazer a mesma coisa que os policiais civis fizeram. Hoje vou entrar na Justiça também. A legislação é a mesma para as duas categorias. Atualmente, o salário base dos PMS é equivalente ao salário mínimo. A hora extra tem que ser paga o valor normal acrescido de 50%. O coronel de planejamento, Teles, será notificado hoje. Vamos entrar com um  mandado de segurança também”, detalha. O advogado acrescenta ainda que o baixo valor é pago durante todo o ano. “Não é só no Carnaval. No decorrer do ano inteiro acontece a mesma coisa. Há 20 anos, os policiais estão sujeitos a isso”, diz.
    Para o deputado estadual Marco Prisco (PSDB), um dos líderes das greves da PM na Bahia, o governo trata a categoria com descaso. “Isso prova a desvalorização que o governo tem com os policiais militares. Na campanha veio com um discurso bem arrumado, mas na prática aparece com outra. Não é só hora extra que apresenta um nível baixo para realidade do PM, é alimentação e alojamento também. Falta muita coisa. A diária é um valor irrisório”, lamenta.
 Prisco lembra ainda que durante a folia de Momo, o policiamento no interior da Bahia fica ainda mais fragilizado. “No Carnaval, 60% dos policiais deixam o interior para fazer o policiamento em Salvador. Esse é o período que o interior fica mais desprotegido”, finaliza.
    Durante a festa, um efetivo de 23.732 policiais vai atuar em Salvador e mais 23 cidades do interior do estado. Além da capital baiana, o efetivo da operação para o Carnaval estará espalhado entre as cidades de Mucuri, Nova Viçosa, Alcobaça, Porto Seguro, Belmonte, Canavieiras, Itacaré, Valença, Entre Rios, Cipó, Rio de Contas, Jussiape, Paramirim, Macaúbas, Palmeiras, Paratinga, Brejolândia, Xique-Xique, Barreiras, Correntina, Santa Maria da Vitória, Carinhanha e Candiba.

FONTE: Bocão News
Policiais durante carnaval.

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

Um comentário:

  1. Parabéns ao Policiais, nada mais justo com essa Classe de Guerreiros, isso que eles estão cobrando não chega nem perto do que eles merecem.


    ResponderExcluir

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Cotidiano Policial. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Nossa equipe poderá retirar, sem prévia notificação, comentários que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.